sexta-feira, 24 de novembro de 2017


Acabei de saber da morte do Pedro Rolo Duarte.

Senti um aperto no estômago e no coração porque, além de não saber que estava doente desde há cinco anos, nunca estamos preparados para receber uma notícia destas sobretudo quando se tem 53 anos.

Embora virtualmente,  trocávamos por vezes pareceres e opiniões e gostava muito de ler as suas crónicas pela linguagem sincera e apropriada com que as escrevia.

Desgosto pelo Pedro e também pela sua mãe, porque ninguém merece ver partir um filho e também pelo próprio filho que ele adorava e de quem tinha muito orgulho. 

Sentidos pêsames à família.

Que descanse em paz.



sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Eu e o FACEBOOK......


Acho que já aqui tinha dito que o Facebook não é a minha praia. No entanto, os tempos mudam e os descendentes, mais propriamente o meu filho e o meu neto, quase me obrigaram a ceder porque, dizia o mais novo, avó eu queria mesmo era que a minha avó aderisse e tenho a certeza de que iria gostar.

Pesava o facto de ter um telemóvel da treta, mas que me enchia as medidas porque o carregava de semana a semana, fazia e recebia chamadas, enviava mensagens, servia de despertador quando o mesmo era necessário e pronto.

Fui recebedora de um telemóvel xpto - "Touch", segundo ele diz e eu confirmo, e depois é que foram elas, porque embora tivesse o computador, realmente é muito mais prático trazer o mundo na mão.

Porque agora já podes descarregar o WhatsApp e falares com as tuas amigas sem que ninguém te ouça, mais o Messenger, ambos enviam e recebem fotografias. Ó vó vai ser o máximo.

Enfim, depois de bem ponderar lá fiz a vontade aos dois, muito mais ao mais novo e lá aderi.

Tenho o Facebook, o Messenger , o WhatsApp e devo dizer que tirando o facto de ter de carregar o telemóvel todos os dias, o que me irrita um bocadinho, tenho tido umas surpresas muito agradáveis.

Já encontrei imensa gente de outro tempo, amigos, amigas, colegas, vejo as fotos e constato que o tempo passou por todos nós e é muito agradável receber notícias e umas palavrinhas de quem já não sabíamos há muito tempo.

Depois acresce que só aceito amizade de todos os que são conhecidos ou esporadicamente algum amigo de amigo ou amiga. Todas as pessoas que o solicitam só porque sim, não acho graça e excluo. Já se tem ouvido alguns dissabores dos chamados abusos de privacidade.

Para ficarem a saber esta é atualmente a minha foto de capa



e esta a minha foto de perfil


Daí as minhas ausências no blogue, visto que vos encontro "quase" a todos nas outras andanças.

E então á assim. A avó saiu da casca para delícias do neto. Ó vó tenho mesmo orgulho de estares tão familiarizada com as novas tecnologias.

E que mais precisamos de ouvir para cedermos um bocadinho?

Bom fim de semana!!!!


terça-feira, 24 de outubro de 2017

YAKUTSK - A CIDADE MAIS FRIA DO MUNDO!


E eu que sou a Maria dos calores e que muitas vezes prefiro o frio ao calor excessivo, estou a pensar seriamente em mudar-me para lá.


Acresce o facto de que não existem pragas, não há hipóteses de fogos, nem espontâneos, nem postos e por isso já é uma certeza de sossego espiritual e físico.


Já pensaram o que é ir ao mercado comprar o peixe e voltar para casa, mesmo com demoras para outras compras, sem o perigo de afetar a qualidade do mesmo?


Vejam lá se não tem a sua beleza e tentem não ficar a tremer só de ver as imagens.





quinta-feira, 19 de outubro de 2017

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Singing in the Rainforest


Video musical gravado na Namíbia

Vídeo musical muito interessante com a interação dos Bosquímanos, povo que habita o sul de Angola e parte da Namíbia.

Em Angola também conhecidos por "Mucancalas" ou "Kamussequeres".




Um vídeo que destaca como se podem aproveitar diferentes potencialidades étnicas e culturais desde que para isso exista vontade, humanismo e solidariedade.


segunda-feira, 2 de outubro de 2017

ABBA ..... sempre


Hoje, já nem sei bem porquê, lembrei-me deles.

Já lá vão algumas décadas mas a música que cantaram e dançaram tornou-se intemporal.

Frida, Agnetha, Benny and Björn - nomes que ficaram na memória e que têm perdurado ao longo dos anos.
Mas o tempo não pára e, acontece a todos, as marcas dos anos vão riscando a nossa imagem traduzindo muito do que vivemos, amámos e sofremos.

Neste vídeo de Janeiro de 2016 podemos ver nos quatro membros do grupo e embora sem alterações constrangedoras como por vezes acontece,  a diferença dos anos que passam por cima de todos nós.

Relembrem-nos porque acho que vale a pena.



Já agora ficam a saber que está programado para Setembro de 2019 um concerto virtual que levará algum tempo a ser preparado, como podem ver no vídeo seguinte. Tal como eles próprios dizem são as avançadas técnicas da realidade virtual, que possibilitarão este reencontro que, doutro modo, se tem tornado impossível.




(Como não consegui inserir o vídeo, fica aqui o endereço se se quiserem dar a esse trabalho para verem)






sábado, 23 de setembro de 2017

Shall We Dance ?




Para a continuação de um bom fim de semana pareceu-me bem partilhar esta música que me ficou sempre na memoria do filme Shall we Dance com J Lo e Richard Gere.

A estória é muito engraçada e o sucesso deveu-se em parte a esta dupla impecável neste desempenho.

E agora ouçam bem e digam lá se não fica no ouvido? 

Entretanto e se acharem bem, vão tentando dar uns passinhos porque desenferruja as pernas e faz muito bem ao espírito. 



Good Luck!!!!!!


sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Começou o Outono


Começou o Outono.



É uma estação que, como todas as outras, tem a sua beleza. Uma beleza mais amena comparativa às temperaturas que por esta altura amornam os lugares e os corpos.

Os tons amarelecem e acastanham-se mas não deixam por isso de ser um prazer para os olhos que deixaram para trás a claridade de um sol escaldante, os tons azuis do céu e do mar e o verde dos campos e jardins.

As flores e os frutos são diferentes e enquanto alguns  como que adormecem, outros vão preencher os seus lugares para continuidade e preenchimento dos nossos dias.



As aulas começaram e só por si os caminhos e os transportes enchem-se de sons diferentes traduzindo a garridice dos jovens.

Não gosto do horário de Inverno e custa-me sempre aceitar o porquê desta alteração. A noite chega ainda pela tarde e a cidade adormece mais cedo.

O tempo corre e não tarda virá o Natal, o fim do Ano e de novo surgirão os dias grandes e para quem se levanta cedo equivalerá a dormir menos uma hora todas as noites.

A vida é isto, transformação e movimento e os anos a correr para que possamos dar lugar às novas vidas que desabrocham.



E... sejam felizes!!!


sexta-feira, 15 de setembro de 2017

domingo, 10 de setembro de 2017

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Reinvenção


A vida só é possível
reinventada.
Anda o sol pelas campinas
e passeia a mão dourada
pelas águas, pelas folhas…
Ah! tudo bolhas
que vem de fundas piscinas
de ilusionismo… — mais nada.
Mas a vida, a vida, a vida,
a vida só é possível
reinventada.
Vem a lua, vem, retira
as algemas dos meus braços.
Projeto-me por espaços
cheios da tua Figura.
Tudo mentira! Mentira
da lua, na noite escura.
Não te encontro, não te alcanço…
Só — no tempo equilibrada,
desprendo-me do balanço
que além do tempo me leva.
Só — na treva,
fico: recebida e dada.
Porque a vida, a vida, a vida,
a vida só é possível
reinventada.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Tanta verdade...


Hoje deixo-vos como uma grande verdade dita por Madre Teresa de Calcutá.

Não é que não a saibamos, mas nunca é demais relê-la porque nos ajuda a prosseguir e a entender o verdadeiro caminho que devemos seguir sem termos a pretensão que por vezes nos assalta de querermos as coisas um pouco a nosso modo.

Mas que lá fica alguma coisa, ai fica, fica.






segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Até parece mentira....


Hoje é difícil de acreditar nas condições meteorológicas cá do meu heaven.

Desde ontem que tenho ouvido nas previsões para esta segunda feira que o céu estaria muito cinzento de norte a sul e que a chuva visitaria todo o país com exceção do Algarve.

À hora do almoço ouvi as primeiras notícias e pasmei com as ocorrências sobretudo em Lisboa e arredores. Inundações às mãos cheias ocasionadas pela chuva torrencial e até o granizo se fez representar neste final de Agosto.

Ouvi ainda que Sintra, mesmo aqui ao lado, foi igualmente contemplada com umas chuvadas à séria.

No início da manhã, ao acordar, vi e senti um sol muito quentinho, algumas nuvens, mas nada que fizesse prever o que depois ouvi.

Desatei a fazer uma geral nas lavadelas domésticas e pasme-se, sequei duas máquinas de roupa.

O sol continuava a brilhar e embora o céu tivesse umas nuvens altas, eu perguntava onde estaria a chuva.

Depois do almoço comecei a pensar que também eu iria ser premiada porque a trovoada começou a fazer-se ouvir ao longe, depois mais perto, mas..... parou e a chuva não chegou.

Mostro-vos o céu do lado da tormenta e o céu aqui mesmo para confirmarem que fui mesmo privilegiada com mais este dia de verão.





segunda-feira, 14 de agosto de 2017

A Quarta Idade


Pois é verdade, com o passar dos anos vamos assistindo cada vez mais ao prolongamento da vida.
Porque a ciência a vem prolongando com todas as inovações resultantes da constante investigação, temos hoje uma faixa etária muito acima dos oitenta anos.
Não há dúvida que é bonito de ver quando a cabeça ainda ajuda a pensar, a sentir alegria, a participar em atividades e as pernas permitem a deslocação necessária à participação em algumas delas que não são apenas de caráter intelectual.
E tudo isto porque, como já tenho dito, tenho a minha tia num Lar a quem visito com regularidade.
Agora que não estou em Lisboa vou duas vezes por semana, mas normalmente vou três vezes. Isto porque desde que ela caiu e foi operada que se desloca em cadeira de rodas e embora faça fisioterapia e já dê alguns passinhos, não é suficiente para ser autónoma e poder circular pela instituição como gostaria.
Deste modo nós levamo-la sempre para o jardim que tem um bar e nunca lhe falta o cafezinho e o bolinho de que tanto gosta. Acresce que alguns dos residentes que já nos conhecem muito bem, sempre que chego com a minha comadre se aproximam para poder participar na cavaqueira e se distraírem com as nossas brincadeiras. É mesmo uma graça ouvir: - Podemos sentar-nos aqui um bocadinho? Claro que dizemos logo que sim e todas as semanas a tertúlia tende a aumentar.
Deixo-vos aqui uma imagem do último domingo onde todos estão acima dos oitenta, alguns mesmo dos noventa e falta a "avó" que não está mas que tem 102,5 e que está sempre a fazer quadras - Esta foi a que me fez: 
"A D. Teresa, muito alegre e divertida, Deus lhe dê muita saúde e muitos anos de vida".
E digam lá como é possível o abandono dos idosos nas instituições sem que os visitem para uma palavra ou um carinho?



quarta-feira, 26 de julho de 2017

Hoje é dia 26 de Julho...

Hoje é dia 26 de Julho e segundo o que se vem celebrando há uns anos é  Dia dos Avós..... e não só, mas isso são outras comemorações que não vêm ao caso.

Sim, porque isto de ser avó tem muito que se lhe diga. Os netos são uma coisa maravilhosa e fazem-nos renascer das cinzas para que lhes possamos prestar a atenção que de nós exigem.

Mas deixem que vos diga que à medida que a idade avança se sentem as fraquezas a que estamos sujeitos e, o meu não está aqui para me ouvir, mas que cansa, cansa mesmo.

Avó para aqui, avó para ali, hoje o que é o almoço...  E isto da adolescência, Deus me livre, sim porque os 13 anos dele são já um pouco adiantados.

E agora, mais recentemente e porque viu um filme sobre o que fazem aos bovinos nas grandes criações e matadouros decidiu que não quer comer carne. Foi de repente e dá-me cabo da cabeça porque se já é difícil quando temos todas as opções, e eu não exagero na carne preferindo o peixe, que fazer quando existem restrições de escolha?... Vale o facto de ter mais tempo que antes, mas retira-me o pouco que já tenho para mim.

Mas enfim, nós adoramo-los e já não é o mesmo dia quando não está e agora de férias faz muita companhia e reafirma constantemente o quanto gosta de mim.

E então por ele próprio e por mais isto vale todo o ouro do mundo.

Para todos os que têm netos   FELIZ DIA DOS AVÓS





terça-feira, 11 de julho de 2017

The Pretenders


Hoje lembrei-me de partilhar esta música  - Don't get me wrong - que me faz recordar os anos 70, mais propriamente o final da década, e que sempre me agradou muito.

Chrissie Hynded foi em 1978 a fundadora da banda que marcou gerações e foi considerada a melhor intérprete de banda rock.  Alcançaram o seu auge com vários hits na década de 80.

Passaram por cá em Vilar de Mouros em 1999 onde, entre outras, esta música fez sucesso e agora vão voltar ao nosso país no próximo dia 19 deste mês de Julho mais propriamente ao Parque dos Poetas em Oeiras integrados no EDP Cooljazz.

Se gostarem e puderem não faltem e vão apreciar esta "piquena" da minha idade que continua a dar cartas.





sexta-feira, 7 de julho de 2017

NOS Alive




Quanto me pagam pelo aluguer das minhas janelas para assistirem - ouvirem - o NOS Alive?

É só ouvir porque ver não é possível mas dá para perceber o ambiente e as luzes ao longe.

Não aprecio alguma da música que passa mas até agora tem estado calminho e com uma toada normal para os ouvidos mais velhotes.

E vão ser três dias de embalo.


sábado, 1 de julho de 2017

As crianças são uma maravilha...



Recebi este vídeo por mail mas a fonte é um MP4 e por aselhice minha, ou não só, não consigo reproduzi-lo em sistema normal.

No entanto, se clicarem no endereço abaixo aparece a ligação direta e é só clicar nela que conseguem a reprodução.

Se conseguirem transferi-lo para outro sistema corrente façam-no porque vale a pena.
Se não, assim também lá chegam e creiam que vão achar o máximo.

Ora experimentem :

https://drive.google.com/open?id=0Bwr7M0uzzxZJcU5yRGhXc0ZqaGlEc2xBYXFwekhrc0hvTDNN


sexta-feira, 30 de junho de 2017

Meryl Streep celebrates Diane Keaton


Porque é que hoje vos mostro este vídeo? Porque adoro qualquer uma delas e seja qual for o tipo de filme que conte com os seus desempenhos é certo e sabido que só não vou ver se não puder.

Tenho-as visto por variadíssimas vezes e dificilmente se pode dizer que não gostei. É evidente que há sempre uns de que se gosta mais que outros, mas nunca saí desapontada duma sala de cinema onde tenha visto um filme que conte com a interpretação de qualquer uma.

Acho-as verdadeiras com sentimentos bem definidos, sem toleimas, aprumo q.b. e quando interpretam os seus papeis fazem-no com tal dedicação e entrega que até nós entramos na tela e por vezes tomamos o seu lugar.

Prémios bem entregues e palavras pouco estudadas mas ditas de dentro como se pode ver.




Bom fim de semana!



terça-feira, 27 de junho de 2017

Lisboa é mesmo linda...


Lisboa é mesmo linda!

Então vista do Tejo ainda consegue salientar mais a sua beleza, não esquecendo que do ar também é uma das hipóteses de ficarmos maravilhados.

Mas hoje as fotos foram captadas de dentro do barco que faz a travessia Belém Trafaria. Acho sempre o máximo atravessar o rio de barco para ir à margem sul porque o ar que se respira é mesmo diferente e os olhos ficam regalados com tanta natureza ao sentirmos que estamos mesmo dentro dela.

E depois o retorno quando as gaivotas já se tinham instalado na praia e de novo a vista mas agora do lado de lá.

Ora partilhem














sábado, 24 de junho de 2017

I Charleston Lisboa no dia de S. João

 
Neste dia de São João vejamos a graça do filme de publicidade a Lisboa com muito gosto e muito bem feito.
 
Bem pensado torna-se apelativo para a nossa cidade que tem sido ultimamente apelidada da melhor cidade para se visitar.
 
Então temos de estar orgulhosos de tudo o que é bom e nos distingue.
 
Não esqueçamos que o que não está bem tem de ser melhorado e façamos por isso em tudo o que está ao alcance de cada um de nós.
 
 

 
 
 

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Tragédia em Portugal







Não é demais lembrarmos neste dia de luto nacional a tragédia de Pedrogão  que nos atinge de uma forma trágica e faz com que os nossos sentimentos emitam a todas as vozes o pezar por todos aqueles que foram por ela apanhados - os que morreram, os familiares que ficaram, todos os que de uma forma ou de outra sentiram na pele a onda de violência.

Já vos disse que ao aderir ao Facebook tive oportunidade de verificar que, realmente, as ondas de solidariedade e não só, se propagam a uma velocidade espantosa e, neste caso, tudo serviu para que se pudessem pôr em prática os mais diversos meios de ajuda para aqueles que infelizmente neste momento de tudo precisam.

Já disseram na RTP que os apelos feitos para doação de vários produtos tinham atingido uma tal adesão que de momento estavam com stock para responder às necessidades - água, bolachas, barritas, etc. . No entanto, hoje liguei para os Bombeiros da minha zona e realmente tinham alguma falta de soro e compressas que embora tivessem citado no início, não tinha sido o material mais entregue. Claro que fui lá e entreguei o meu donativo em conformidade ao comandante, por sinal uma pessoa que conheço desde jovem e senti que a corporação se encontrava em alerta para qualquer emergência súbita.

Isto tudo para vos dizer que se puderem e quiserem o que ainda podem fazer é ligar para o número de solidariedade
760100100

que embora já tenha atingido os 400.000 €, segundo informação dada na televisão, nada são em comparação com as necessidades para cobrir os danos sofridos.

A solidariedade FAZ BEM!!!!!


terça-feira, 13 de junho de 2017

Let's Twist Again


O que eu gostava, já lá vão seis dezenas de anos, de ir com a minha avó ao cinema ver o Bucha e Estica os famosos Stan e Hardy que fizeram as delícias da pequenada dos fifties.

As suas aventuras eram sempre muito engraçadas e faziam rir a criançada. Como eu me lembro do cinema vir abaixo com as palmas e gritos dos que na altura nem sequer adivinhavam que os meios de divertimento iriam mudar tanto graças ao avanço das tecnologias.

Hoje enviaram-me por mail esta graça dizendo que é a primeira versão do  TWIST

dançada por eles, quando ainda não se conheciam os verdadeiros passos que iriam deliciar os adolescentes dos anos sessenta.

Claro que é um aproveitamento feito com graça porque fui à Net e existem mais músicas que aproveitaram estes passos e que também ficam bem.

Para mim eu acho que esta versão está mesmo o máximo.

Ora vejam ....





sábado, 10 de junho de 2017

☜♡☞...DESAPEGO...☜♡☞ - FERNANDO PESSOA


A vida é difícil e por vezes toda a verdade também.

Para seguir toda a verdade de Fernando Pessoa por vezes não é só falta de coragem, mas como se podem apagar as coisas que em tempos nos fizeram felizes só porque no presente elas já não são mais a nossa razão de viver?

E porque é que isso aconteceu?

Porque a vida nos foi ensinando que nunca podemos pretender que uma feliz realidade dure para sempre. As pessoas mudam, as vidas também e alguns daqueles que pensávamos que se fosse preciso dariam a vida por nós, depararam-se com outras realidades que fizeram com que descessemos alguns degraus nas suas prioridades e até aprenderam a dizer "não" com muita facilidade.

Por vezes penso o que há uns anos atrás era impensável.

Como pôde ser o antes? Como pode ser assim?

Vejam todo o texto, que além de ser extremamente real, não é muito facilmente praticável, sobretudo por pessoas que se deram de corpo e alma em todos os momentos.





Tenham um bom fim de semana a começar já por esta sexta feira, 10 de Junho, Feriado e Dia de Camões, sim porque da lusitanidade ninguém se consegue DESAPEGAR...



sexta-feira, 9 de junho de 2017

Maria


Hoje venho deixar-vos esta relíquia de 1961 de que me lembrei - em Portugal passou apenas em 1963. 

Eu era tão nova e nunca mais fui capaz de esquecer o filme que na altura me encheu o imaginário.

Estou certa de que muitos de vocês sentirão o mesmo que eu ao rever estas imagens e estas canções. 
Podem ainda ver muitas mais se se deixarem ficar quando o vídeo chegar ao fim.




Então que tal, já revisitaram este meio século já passado?


quinta-feira, 8 de junho de 2017

THE BANGLES e os anos 80


Na terça feira deu na RTP2 um programa sobre a música dos anos 80.

Achei muito curioso e creio até que já exibiram em outras semanas as décadas anteriores. 

Entre muitos dos que se consagraram nessa época até aos dias de hoje vimos The Bangles que se impuseram pela sua música que agradou na generalidade e até pasmou alguns dos grandes conhecedores porque não esperavam naquele tempo que mulheres pudessem e soubessem fazer e interpretar  tão boa música... o mesmo de sempre.

Estou a falar pelo que ouvi do comentador e claro que também referiu outras bandas inesquecíveis e nomes como Madonna, Cindy Lauper e outras que tais, não esquecendo que os homens também mereceram grandes elogios com destaque para o saudoso Freddie Mercury e os Queen.

Assim sendo, deixo-vos The Bangles para o caso de não se lembrarem delas ou para recordarem, se for o caso.





segunda-feira, 5 de junho de 2017

Sapiens





Um amigo meu deu-me de presente este livro que dá muito que pensar em como será a vida do futuro.

É realmente inquietante se pensarmos como será a vida dos nossos netos e como diz o autor, a dos netos dos nossos netos.

Caso queiram situar-se no conteúdo, que embora longo é elucidativo, deixo-vos o artigo que saiu no Diário de Notícias de 27 de Maio, onde a entrevista ao autor poderá gerar diferentes opiniões mas com uma possível certeza de que o mundo na sua evolução vai certamente fazer-nos passar a uma fase tão remota que quase será inconcebível pensar como foi possível viver nela.

É assim o mundo que habitamos.



Diário de Notícias de 27 de Maio



Yuval Harari:
 "Não sabemos o que ensinar aos jovens pela primeira vez na História"

Obama, Bill Gates e Mark Zuckerberg ficaram fascinados com o livro 'Sapiens' de Yuval Noah Harari. O historiador dá a sua primeira entrevista para Portugal aquando do seu novo trabalho: Homo Deus

O livro anterior de Yuval Harari, Sapiens: Uma Breve História da Humanidade, foi um sucesso mundial, tanto assim que o então Presidente Barack Obama disse que era o seu livro de mesa de cabeceira, Bill Gates repetiu, Mark Zuckerberg colocou-o no seu clube de leitura online e o Youtube encheu-se de vídeos das suas aulas. Em Portugal, o historiador israelita não passou despercebido e alguns milhares já leram as quatro edições do antecessor de Homo Deus - História Breve do Amanhã (editora Elsinore), o seu mais recente trabalho de investigação lançado seis anos após o primeiro.



Em quase 500 páginas, o professor do departamento de História da Universidade Hebraica de Jerusalém faz uma análise da evolução do Homem que se segue e questiona quais poderão ser os passos de gigante dos habitantes da Terra. Uma antevisão pouco agradável, onde a Inteligência Artificial e a biogenética destituirão em breve as regras que gerem as sociedades atuais. Nesta entrevista ao DN, a primeira para Portugal, Yuval Harari explica como os netos dos nossos netos só serão em parte humanos, que será o algoritmo a decidir os empréstimos de um banco, que as reivindicações dos excluídos serão ignoradas e que o que hoje se ensina nas escolas e universidades de pouco servirá dentro de no máximo duas décadas. Não pretende que seja uma perceção catastrófica, antes o resultado da evolução da tecnologia ao nosso dispor no século XXI e que será impossível de travar. Harari tornou-se uma celebridade mundial, gay, vive com o marido numa comunidade israelita, vegan e recusa-se a usar um smarthphone.

 .
Olho para o seu livro e imagino o autor como um drone dotado de inteligência artificial a sobrevoar o planeta Terra. Revê-se nesta imagem?
Até certo ponto. Eu tento ser realmente como um drone que voa a grande altitude e observa tudo o que acontece na Terra sem tomar partidos. No entanto, ao contrário de um drone ou de uma inteligência artificial, eu não me foco apenas nos acontecimentos materiais. Tento compreender como as pessoas se sentem e dou um lugar central no meu livro às questões éticas e filosóficas. Não vale a pena escrever História se nos esquecermos da dimensão ética.



Começa o livro com uma grande pergunta: "Estamos a controlar a fome, as epidemias e a guerra. O que irá substituí-las?" Qual é o seu prognóstico?
No séc. XXI a principal ambição humana não será meramente o controlo da fome, das epidemias e da guerra, mas sim a de transformar os humanos em deuses. E digo isto no sentido literal. Os seres humanos esforçar-se-ão por adquirir capacidades que foram inicialmente pensadas como capacidades divinas. Em particular, a capacidade de manipular e criar vida. Assim como na Bíblia Deus criou animais, plantas e seres humanos de acordo com os seus desejos, também no séc. XXI iremos provavelmente aprender como projetar e fabricar animais e plantas e, até, seres humanos segundo os nosso desejos. Iremos usar a engenharia genética para criar novos tipos de seres orgânicos; usaremos interfaces diretas cérebro-computador com o objetivo de criar ciborgues (seres que combinam partes orgânicas com partes inorgânicas); e podemos até conseguir criar seres completamente inorgânicos. Os principais produtos da economia do séc. XXI não serão têxteis, veículos e armas, mas sim corpos, cérebros e mentes. Foi por isso que dei ao livro o título de Homo Deus (homem-deus).



Ao comentar o estado atual da humanidade diz: "Vejamos o que o dia de hoje nos reserva". Esta é uma questão para o mundo inteiro ou apenas para os menos afortunados?
Ainda há milhares de milhões de pessoas pobres no mundo que sofrem de desnutrição e doenças, mas as fomes em massa estão a tornar-se raras. No passado, de tantos em tantos anos havia secas ou inundações, ou outro tipo qualquer de catástrofe natural, a produção de alimentos caía a pique e milhões de pessoas morriam à fome. Atualmente, a humanidade produz tanta comida e consegue transportá-la tão rapidamente e de forma tão barata que os desastres naturais nunca resultam, por si próprios, em fome em massa. Já não existe fome natural no mundo, há apenas fome de origem política. Se as pessoas ainda morrem de fome na Síria, no Sudão ou na Coreia do Norte é apenas porque alguns governos assim o desejam.

Vejamos a China, por exemplo. Há poucas décadas a China era ainda um paradigma de escassez de alimentos. Dezenas de milhões de chineses morreram de fome durante o Grande Salto em Frente e os especialistas previam rotineiramente que o problema só iria piorar. Em 1974 teve lugar em Roma a primeira Conferência Mundial da Alimentação e os delegados foram presentados com cenários apocalíticos. Foi-lhes dito que a China nunca conseguiria alimentar os seus mil milhões de pessoas e que o país mais populoso do mundo estava a caminho da catástrofe. Na verdade estava a caminho do maior milagre económico da história. Desde 1974 centenas de milhões de chineses saíram da pobreza e apesar de haver ainda centenas de milhões que sofrem muitíssimo de privações e desnutrição, a China está pela primeira vez nos seus registos históricos livre da fome.

De facto, na maioria dos países, hoje, comer demais tornou-se um problema muito pior do que a fome. No século XVIII, Maria Antonieta supostamente aconselhou as massas famintas a que, se ficassem sem pão, comessem bolos. Hoje, os pobres seguem este conselho à letra. Enquanto os habitantes ricos de Beverly Hills comem salada de alface e tofu cozido a vapor com quinoa, nos bairros da lata e guetos os pobres engolem bolos industriais, pacotes de aperitivos salgados, hambúrgueres e pizzas. Em 2014, mais de 2100 milhões de pessoas tinham excesso de peso, contra 850 milhões que sofriam de desnutrição. Calcula-se que em 2030 metade da humanidade sofra de excesso de peso. Em 2010, a fome e a desnutrição combinadas mataram cerca de um milhão de pessoas, enquanto a obesidade matou três milhões.



Afirma que as guerras estão a diminuir. Quando vê o Presidente Trump atirar uma super-bomba sobre o Afeganistão sente vontade de alterar o texto do livro?
Eu não disse que as guerras iriam inevitavelmente desaparecer. O que eu disse foi que nós transformámos as guerras de uma catástrofe inevitável além do controlo humano numa ameaça gerível. No passado, os seres humanos pensavam que as guerras eram uma parte natural do mundo e somente Deus poderia trazer a paz à Terra. Mas ao longo das últimas décadas, os seres humanos descobriram que têm o poder de trazer a paz à Terra por si mesmos, se tomarem as decisões certas.

Ainda há guerras em algumas partes do mundo, eu vivo em Israel por isso sei muito bem disso. Mas grandes partes do mundo estão completamente livres da guerra e muitos estados deixaram de usar a guerra como um instrumento padrão para promover os seus interesses. Nas sociedades agrícolas antigas, cerca de 15% de todas as mortes eram causadas pela violência humana. Hoje, em todo o mundo, as mortes causadas pela violência humana são menos de 1,5%. De facto, o número de suicídios é hoje maior do que o número de mortes violentas! São maiores as hipóteses de se morrer por suicídio do que de se ser morto por um qualquer soldado inimigo, um terrorista ou um criminoso. Da mesma forma, o número de pessoas que morrem por obesidade e doenças relacionadas é muito mais elevado do que o número de pessoas mortas por violência humana. O açúcar é hoje mais perigoso do que a pólvora.

O que originou esta nova era de paz? Existem duas causas principais. Em primeiro lugar, as armas nucleares transformaram a guerra entre superpotências em suicídio coletivo. Assim, as superpotências tiveram que mudar completamente o sistema internacional e encontrar maneiras de resolver conflitos sem grandes guerras. Em segundo lugar, as mudanças económicas transformaram o conhecimento no principal ativo económico. Anteriormente, a riqueza era principalmente riqueza material: campos de trigo, minas de ouro, escravos, gado. Isso encorajava a guerra, porque era relativamente fácil conquistar riqueza material através da guerra. Hoje, a riqueza está cada vez mais baseada no conhecimento. E não se pode conquistar o conhecimento através da guerra. Não se pode, por exemplo, conquistar a riqueza de Silicon Valley através da guerra, porque não há minas de silício no Vale do Silício - a riqueza vem do conhecimento dos engenheiros e técnicos. Consequentemente, hoje, a maioria das guerras está restrita àquelas partes do mundo - como o Médio Oriente - onde a riqueza é a riqueza material antiquada (principalmente campos de petróleo).



Foi fácil integrar a afirmação constante do terrorismo neste seu exame?
O terrorismo é em grande parte teatro. Os terroristas encenam um espetáculo de violência aterrorizador que domina a nossa imaginação e nos faz sentir como se estivéssemos a resvalar de novo para o caos medieval. Consequentemente os estados sentem-se muitas vezes obrigados a reagir ao teatro do terrorismo com um espetáculo de segurança, orquestrando enormes exibições de força, como a perseguição de populações inteiras ou a invasão de países estrangeiros. Na maior parte dos casos, essa reação exagerada ao terrorismo representa uma ameaça muito maior à nossa segurança do que os próprios terroristas.

Os terroristas são como uma mosca que tenta destruir uma loja de porcelanas. A mosca é tão fraca que não consegue mover nem uma chávena de chá. Assim, encontra um touro, entra para dentro do seu ouvido e começa a zumbir. O touro fica louco de medo e fúria e destrói a loja de porcelanas. Foi o que aconteceu no Médio Oriente na última década. Os fundamentalistas islâmicos nunca conseguiriam ter derrubado Saddam Hussein sozinhos. Em vez disso, eles enfureceram os EUA com os atentados de 11 de setembro e os EUA destruíram a loja de porcelanas do Médio Oriente por eles. Agora eles florescem nos destroços. Portanto, na verdade, o sucesso ou o fracasso do terrorismo dependem de nós. Se permitirmos que os terroristas dominem a nossa imaginação e, depois, reagirmos exageradamente aos nossos próprios medos, o terrorismo terá êxito. Se libertarmos a nossa imaginação dos terroristas e reagirmos de forma equilibrada e calma, o terrorismo fracassará.

No subcapítulo O Direito à Felicidade considera que este é o segundo grande projeto na agenda da humanidade. Mas, como dizia Epicuro, esta busca não continua a conduzir à infelicidade?
Sim, até agora a busca da humanidade pela felicidade não foi muito bem-sucedida. Nós somos hoje muito mais poderosos do que alguma vez fomos e a nossa vida é certamente mais confortável do que no passado, mas é duvidoso que sejamos muito mais felizes do que os nossos antepassados. Os americanos médios têm um carro, um telemóvel, um frigorífico cheio de comida e um armário cheio de medicamentos, coisas com que os seus antepassados dificilmente poderiam sonhar. No entanto, os americanos estão tão irritados e insatisfeitos com a sua situação, que elegeram Donald Trump como seu presidente. Aparentemente, não é fácil traduzir o poder em felicidade.

Uma explicação é que a felicidade depende menos de condições objetivas e mais das nossas próprias expectativas. As expectativas, no entanto, tendem a adaptar-se às condições. Quando as coisas melhoram, as expectativas aumentam e, consequentemente, mesmo melhorias drásticas nas condições podem deixar-nos tão insatisfeitos como antes.

Eu valorizo muito Marx. Até certo ponto, todos nós somos marxistas hoje. Podemos não aceitar o programa político de Marx, mas mesmo os capitalistas mais radicais analisam a história e a política usando o pensamento marxista. Por exemplo, quando tentamos entender a ascensão de Donald Trump, geralmente pensamos que as mudanças económicas, como a crescente desigualdade entre a classe operária americana e a classe alta, levam a convulsões políticas. Essa é uma análise marxista.

No entanto, no séc. XXI as teorias marxistas estão a perder relevância. O marxismo assume que a classe trabalhadora é vital para a economia e os pensadores marxistas tentaram ensinar ao proletariado como traduzir o seu imenso poder económico em força política. Esses ensinamentos podem tornar-se completamente irrelevantes no séc. XXI, pois a IA e os robôs substituem os seres humanos em mais e mais empregos e as massas perdem o seu valor económico. Na verdade, pode haver quem argumente que o brexit e Trump já demonstram uma trajetória oposta à que Marx imaginava. Em 2016, os britânicos e os americanos que perderam a sua utilidade económica, mas que ainda conservam o poder político, usaram esse poder para se revoltarem antes que seja tarde demais. Eles não se revoltam contra uma elite económica que os explora, mas contra uma elite económica que já não precisa deles.



Preocupa-o a certeza de que nos vamos confrontar em breve com uma raça de super-homens, o seu Homo Deus?
Sim, existe o perigo de a humanidade se dividir em castas biológicas. À medida que a biotecnologia se for desenvolvendo será possível prolongar o tempo da vida humana e melhorar as capacidades humanas, mas os novos tratamentos maravilha podem ser caros e podem não estar disponíveis gratuitamente para todos os milhares de milhões de seres humanos. Assim, a sociedade humana no séc. XXI pode ser a mais desigual da História. Pela primeira vez na História, a desigualdade económica será traduzida em desigualdade biológica. Pela primeira vez na História, as classes superiores não serão apenas mais ricas do que o resto da humanidade, mas também viverão muito mais tempo e terão muito mais talento.

A ascensão da inteligência artificial pode exacerbar este problema. Dentro de algumas décadas, a IA pode tornar a maioria de seres humanos inúteis. Estamos agora a desenvolver software para computadores e IA que superam os seres humanos em cada vez mais tarefas, desde conduzir carros até diagnosticar doenças. Como resultado, os especialistas calculam que dentro de algumas décadas, não serão só os empregos de taxistas e médicos, mas cerca de 50% de todos os postos de trabalho nas economias avançadas serão ocupados por computadores.

Podem aparecer muitos novos tipos de empregos, mas isso não irá necessariamente resolver o problema. Os seres humanos têm basicamente apenas dois tipos de capacidades - físicas e cognitivas - e se os computadores nos superarem em ambas, eles podem superar-nos nos novos empregos tal como o fizeram nos antigos. Então, qual será a utilidade de seres humanos nesse mundo? O que faremos com milhares de milhões de seres humanos economicamente inúteis? Não sabemos. Não temos qualquer modelo económico para tal situação. Esta pode ser a maior questão económica e política do século XXI.
.
Além disso, à medida que os algoritmos expulsam os seres humanos do mercado de trabalho, a riqueza pode concentrar-se nas mãos da pequena elite que possui os algoritmos todo-poderosos, criando desigualdades sociais e políticas sem precedentes. Hoje, milhões de motoristas de táxi, de autocarros e de camiões têm um peso económico e político significativo, cada um comandando uma pequena parcela do mercado de transportes. Se o governo faz alguma coisa de que não gostem, eles podem sindicalizar-se e entrar em greve. No futuro, todo esse poder económico e político pode ser monopolizado por alguns bilionários que possuem as empresas que detêm os algoritmos que dirigem todos os veículos.

O Homo sapiens foi apenas mais uma etapa da evolução do Homem e deixou de ser a referência?
Nós somos provavelmente uma das últimas gerações de Homo sapiens. Ainda teremos netos, mas não tenho muita certeza de que os nossos netos terão netos. Pelo menos não humanos. No próximo século ou dois, os seres humanos ou se destroem a eles mesmos ou evoluem para algo completamente diferente. Algo que será mais diferente de nós do que nós somos diferentes dos neandertais ou dos chimpanzés.

[citacao O algoritmo discrimina-o não porque você é mulher ou homossexual ou negro, mas porque você é você. Há algo específico sobre si de que o algoritmo não gosta]

Elege o algoritmo como um fator de discriminação. Como podem os mais fracos defenderem-se?
Ao reunir dados e poder de computação suficientes, empresas e governos poderão criar rapidamente algoritmos que me conhecem melhor do que eu próprio, e então a autoridade deslocar-se-á de mim para o algoritmo. O algoritmo poderá entender os meus desejos, prever as minhas decisões e fazer melhores escolhas em meu nome. Tais algoritmos contêm um grande potencial, mas também um grande perigo. À medida que os algoritmos nos começam a conhecer tão bem, os governos ditatoriais poderão obter um controlo absoluto sobre os seus cidadãos, ainda mais do que na Alemanha nazi, e a resistência a tais ditaduras poderá ser totalmente impossível. Mesmo em países democráticos, as pessoas podem tornar-se vítimas de novos tipos de opressão e discriminação. Hoje em dia, cada vez mais bancos, empresas e instituições estão a usar algoritmos para analisar dados e tomar decisões sobre nós. Quando pedimos um empréstimo a um banco é mais provável que o nosso pedido seja processado por um algoritmo de que por um ser humano. O algoritmo analisa muitos dados sobre nós e estatísticas sobre milhões de outras pessoas, e decide se somos suficientemente confiáveis para nos conceder um empréstimo. Muitas vezes, o algoritmo faz um trabalho melhor do que um banqueiro humano. Mas o problema é que, se o algoritmo discriminar algumas pessoas injustamente, é difícil saber isso. Se o banco se recusar a dar-nos um empréstimo e perguntarmos "porque não?", o banco responde "o algoritmo disse que não". Se perguntarmos "por que motivo o algoritmo disse que não?", o banco responde, "Nós não sabemos. Nenhum ser humano entende este algoritmo, porque é baseado na aprendizagem avançada da máquina. Mas nós confiamos no nosso algoritmo, por isso não lhe concederemos um empréstimo".

No passado, as pessoas discriminavam grupos inteiros como mulheres, homossexuais e negros. Assim, as mulheres, os homossexuais ou os negros, podiam organizar-se e protestar contra a sua discriminação coletiva. Mas agora o algoritmo pode discriminá-lo a si, e você não faz ideia da razão. Talvez o algoritmo tenha encontrado alguma coisa no seu ADN ou na sua história pessoal que não lhe agrada. O algoritmo discrimina-o não porque você é mulher ou homossexual ou negro, mas porque você é você. Há algo específico sobre si de que o algoritmo não gosta. Você não sabe o que é, e mesmo que soubesse, não se pode organizar com outras pessoas para protestar, porque não há outras pessoas. É apenas você. Em vez da discriminação coletiva como no século XX, talvez no século XXI tenhamos um grande problema de discriminação individual.



Quando aponta o Dataísmo como a próxima religião não está a ir longe de mais? Falando de religião, esta tem um prazo de validade?
Primeiro, devemos entender o que é a religião. A religião não é a crença em deuses. Em vez disso, a religião é qualquer sistema de normas e valores humanos que se baseia na crença em leis sobre-humanas. A religião diz-nos que devemos obedecer a certas leis que não foram inventadas pelos seres humanos e que os seres humanos não podem mudar à sua vontade. Algumas religiões, como o islão, o cristianismo e o hinduísmo, acreditam que essas leis sobre-humanas foram criadas pelos deuses. Outras religiões, como o budismo, o capitalismo e o nazismo, acreditam que essas leis sobre-humanas são leis naturais. Assim, os budistas acreditam nas leis naturais do carma, os nazis argumentaram que a sua ideologia refletia as leis da seleção natural, e os capitalistas acreditam que seguem as leis naturais da economia.
.

Não importa se acreditam em leis divinas ou em leis naturais, todas as religiões têm exatamente a mesma função: dar legitimidade às normas e valores humanos e dar estabilidade às instituições humanas, como estados e empresas. Sem algum tipo de religião é simplesmente impossível manter a ordem social. Durante a era moderna, as religiões que acreditam nas leis divinas entraram em declínio. Mas as religiões que acreditam nas leis naturais tornaram-se cada vez mais poderosas. No futuro, é provável que se tornem mais poderosos ainda. Silicon Valley, por exemplo, é hoje uma incubadora de novas tecno-religiões. Eles prometem todos os velhos prémios religiosos - felicidade, paz, prosperidade e vida eterna - mas aqui na terra com a ajuda da tecnologia e não depois da morte com a ajuda de seres sobrenaturais.



O seu livro anterior foi amplamente reconhecido. Alguém aprendeu a lição?
Não estou certo de que o objetivo do estudo da História seja aprender lições práticas. Na minha opinião, devemos estudar a História não para aprender com o passado, mas para nos libertarmos dele. Cada um de nós nasce num mundo particular, governado por um sistema particular de normas e valores, e uma determinada ordem económica e política. Como nascemos nele, tomamos a realidade circundante como natural e inevitável, e tendemos a pensar que a maneira como as pessoas hoje vivem as suas vidas é a única possível. Raramente nos damos conta de que o mundo que conhecemos é o resultado acidental de acontecimentos históricos aleatórios que condicionam não só a nossa tecnologia, política e economia, mas até mesmo a maneira como pensamos e sonhamos. É assim que o passado nos agarra pela parte de trás da cabeça, e vira o nosso olhar para um único futuro possível. Sentimos o aperto do passado desde que nascemos, por isso nem sequer nos apercebemos dele. O estudo da História visa reduzir esse aperto e permitir-nos virar a nossa cabeça mais livremente, pensar de maneira diferente e ver muitos mais futuros possíveis.

Se não conhecermos a História, facilmente confundimos os seus acidentes com a nossa verdadeira essência. Por exemplo, pensamos em nós mesmos como pertencendo a uma determinada nação, como Israel ou a Coreia; acreditamos numa certa religião; vemo-nos como indivíduos; acreditamos que temos certos direitos naturais. Então, quando me pergunto "quem sou eu?" posso responder que "sou israelita, sou judeu e sou um indivíduo que tem direitos inalienáveis ??à vida, à liberdade e à busca da felicidade".

No entanto, o nacionalismo, o individualismo, os direitos humanos e a maioria das religiões são desenvolvimentos recentes. Antes do séc. XVIII, o nacionalismo era uma força bastante fraca, e a maioria das nações de hoje não tem mais de um século de existência. O indivíduo foi criado pelo estado e pelo mercado modernos, na sua luta para quebrar o poder das famílias e comunidades tradicionais. Os direitos humanos são uma história inventada nos últimos três séculos, que não tem base na biologia. Não há direitos inscritos no nosso ADN. A maioria das religiões que conhecemos hoje nasceu apenas nos últimos dois ou três mil anos e sofreu profundas mudanças nos últimos séculos. O judaísmo ou o cristianismo de hoje são muito diferentes do que eram há 2000 anos. Não são verdades eternas, mas criações humanas. Algumas dessas criações podem ter sido muito benéficas, é claro, mas para conhecer a verdade sobre nós mesmos precisamos ir além de todas essas criações humanas. É por isso que a História me interessa tanto. Eu quero conhecer a História, para poder ir além dela e entender a verdade que não é o resultado de acontecimentos históricos aleatórios.



É sempre referido como um historiador israelita. Porquê sempre a qualificação da nacionalidade?
Eu não me classifico como "um historiador israelita". Eu não acho que a nacionalidade seja assim tão importante. Acho mesmo que os meus antecedentes judaicos têm muito menos influência na minha visão da História do que se poderia esperar. Eu sou judeu por etnia, mas não na minha religião e na minha visão do mundo. Sou muito mais influenciado por Buda e Darwin do que pela Bíblia. É claro que as minhas experiências como israelita moldaram a minha vida e a minha compreensão do mundo até certo ponto. O mundo parece diferente visto de Jerusalém, de Nova Iorque ou de Pequim, e se eu tivesse crescido em Nova Iorque ou Pequim, provavelmente teria escrito um livro diferente. Em particular, porque vivo no Médio Oriente, com todos os conflitos nacionalistas e religiosos, estou muito consciente do imenso poder das histórias imaginárias para controlar as nossas vidas. As pessoas estão a matar-se por todo o lado por puras ficções. É por isso que é tão importante para mim distinguir a realidade da ficção.



"Homo Deus" resulta de uma investigação complexa. Foi confrontado com caminhos sem saída?

O meu objetivo principal ao escrever Homo Deus não era profetizar o futuro, mas sim questionar o nosso futuro e explorar várias possibilidades. O livro foca-se na interação entre tecnologia, política, sociedade e religião. O que acontecerá com a política quando os algoritmos Big Data conhecerem os nossos desejos e opiniões melhor do que nós próprios os conhecemos? O que acontecerá com o mercado de trabalho quando os computadores superarem os seres humanos em cada vez mais tarefas, e a inteligência artificial substituir taxistas, médicos, professores e polícias? O que faremos com milhares de milhões de pessoas economicamente inúteis? Como irão lidar religiões como o cristianismo e o islão com a engenharia genética e o potencial de criar super-humanos e superar a velhice e a morte? Irá Silicon Valley acabar por produzir novas religiões, em vez de apenas novos gadgets?

Ao tentar responder a essas perguntas encontrei obviamente muitos becos sem saída. Ninguém sabe realmente como será o mundo dentro de 30 ou 60 anos. Na verdade, acho que a nossa capacidade de entender o mundo é hoje menor do que nunca. No passado, o conhecimento humano aumentava lentamente e a tecnologia demorava tempo a ser desenvolvida, de modo que a política e a economia também mudavam a um ritmo lento. Hoje, o nosso conhecimento está a aumentar a uma velocidade vertiginosa e, teoricamente, deveríamos entender o mundo cada vez melhor. Mas está a acontecer precisamente o contrário. Os nossos conhecimentos recém-adquiridos levam a mudanças económicas, sociais e políticas mais rápidas. Na tentativa de entender o que está a acontecer, aceleramos a acumulação de conhecimento, o que leva apenas a agitações mais rápidas e maiores. Consequentemente, estamos cada vez menos aptos a dar sentido ao presente ou a prever o futuro. Ninguém sabe realmente o que está a acontecer hoje no mundo, ou onde estaremos no futuro.

Há mil anos, em 1017, havia muitas coisas que as pessoas não sabiam sobre o futuro, mas podiam ter certeza sobre as características básicas da sociedade humana. Se você vivesse na Europa em 1017 sabia que em 1050 os Vikings poderiam invadir novamente, as dinastias poderiam cair e as pestes ou terramotos poderiam matar milhões. No entanto, era claro para si que mesmo em 1050 a maioria dos europeus ainda trabalharia na agricultura, os homens ainda dominariam as mulheres, a expectativa de vida seria de cerca de 40 anos e o corpo humano seria exatamente o mesmo. Hoje, pelo contrário, não fazemos ideia de como a Europa ou o resto do mundo vai ser em 2050. Não sabemos o que as pessoas farão como trabalho, não sabemos como serão as relações de género, as pessoas poderão viver muito mais do que hoje e o próprio corpo humano pode sofrer uma revolução sem precedentes graças à bioengenharia e a interfaces diretas entre cérebro e computador.

Consequentemente, pela primeira vez na história, não fazemos ideia do que ensinar às crianças na escola ou aos estudantes na faculdade. Em 1017, os pais ensinaram aos seus filhos como plantar trigo, como tecer lã, ou como ler a Bíblia e era óbvio que essas capacidades ainda seriam necessárias em 1050. Pelo contrário, a maior parte do que as crianças aprendem hoje na escola será irrelevante em 2050.

Sabemos que tecnologias como a IA e a bioengenharia mudarão o mundo, mas não temos certeza de como o farão, porque a tecnologia nunca é determinista. Podemos usar os mesmos avanços tecnológicos para criar tipos muito diferentes de sociedades e situações. Por exemplo, no séc. XX, as pessoas podiam usar a tecnologia da Revolução Industrial - comboios, eletricidade, rádio, telefone - para criar ditaduras comunistas, regimes fascistas ou democracias liberais. Basta pensar na Coreia do Sul e na Coreia do Norte: os dois países tiveram acesso exatamente à mesma tecnologia, mas eles optaram por empregá-la de maneiras muito diferentes.

No séc. XXI, a ascensão da IA ??e da biotecnologia irá certamente transformar o mundo, mas isso não implica um resultado determinista único. Podemos usá-las para criar tipos muito diferentes de sociedades. Como usá-las sabiamente é a questão mais importante que a humanidade enfrenta atualmente. É muito mais importante do que a crise económica mundial, as guerras no Médio Oriente ou a crise dos refugiados na Europa. O futuro, não só da humanidade, mas provavelmente da própria vida, depende de como escolhemos usar a IA e a biotecnologia.

Para dar um exemplo, consideremos o que a biotecnologia pode significar para a criação de animais. Atualmente, os seres humanos tratam os animais de criação, como vacas, porcos e galinhas, como se fossem apenas máquinas para a produção de carne, leite e ovos. Nós infligimos um sofrimento tremendo a biliões de seres sensíveis, que conseguem sentir dor, medo e solidão. Os avanços na biotecnologia dão-nos agora uma escolha. Por um lado, podemos usar a biotecnologia para criar vacas, porcos e galinhas que crescem mais rapidamente e produzem mais carne, sem pensar no sofrimento que infligimos a esses animais. Por outro lado, poderíamos usar a biotecnologia para criar o que é conhecido como "agricultura celular" ou "carne limpa" - carne que é produzida em laboratórios a partir de células animais, sem necessidade de criar e abater criaturas inteiras. Se quisermos um bife, poderemos limitar-nos a produzir um bife, em vez de criar e abater uma vaca inteira. Isso não é ficção científica. O primeiro "hambúrguer limpo" foi produzido em 2013. É verdade que custou 330 000 dólares, mas, hoje, produzir um hambúrguer desses custa apenas 11 dólares, e dentro de alguns anos é provável que custe menos do que um hambúrguer de "carne abatida". Com a investigação e o investimento certos, dentro de uma década ou duas poderíamos produzir carne limpa em escala industrial, que será mais barata, mais ecológica e mais ética do que criar vacas. A escolha depende de nós.



Homo Deus - História Breve do Amanhã
Yuval Noah Harari
Editora Elsinore
480 páginas
22 euros

* Uma entrevista para ler duas vezes, pelo menos.